Você está aqui: APEAM > 2014 > novembro
Apoio
Patrocínio
Mercado de Trabalho: confira entrevista com Engenheiro Ambiental Marcelo Lentini Ribas

Mercado de Trabalho: confira entrevista com Engenheiro Ambiental Marcelo Lentini Ribas

“Priorizem na vida profissional e pessoal os princípios éticos e os valores morais. Não esqueçam que o engenheiro ambiental trabalha com equipes multidisciplinares e, sob esta perspectiva, além da sua aptidão e competência na engenharia, busquem conhecimento em outras áreas, como na economia, política, biologia e, principalmente, no direito ambiental” destaca Marcelo Lentini Ribas, graduado em engenharia ambiental pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), e atualmente Coordenador de Projetos na STCP Engenharia de Projetos.

APEAM – O que lhe motivou a fazer o curso de Engenharia Ambiental?

Marcelo – Não me recordo o evento que me motivou a optar pela Engenharia Ambiental, à época do vestibular. Somos demasiadamente imaturos aos 17 anos de vida para tomar a decisão da profissão que desejamos seguir. Hoje, agradeço imensamente por ter escolhido a Engenharia Ambiental.

APEAM – Qual sua área de atuação?

Marcelo – Atualmente, sou Coordenador de Projetos na STCP Engenharia de Projetos, onde trabalho há pouco mais de seis anos. Na STCP, tenho adquirido experiência em avaliações de impactos ambientais, vinculadas aos processos de licenciamento ambiental de empreendimentos industriais e rurais. Também atuo com o gerenciamento de resíduos sólidos e análises de qualidade de águas.

APEAM – Quais foram as maiores dificuldades encontradas no mercado de trabalho?

Marcelo – Felizmente e com muita sorte, antes mesmo da colação de grau, eu já estava contratado pela STCP. Entretanto, quero deixar uma mensagem aos estudantes: é importante fazer estágio, mas não se preocupem em estagiar em ‘’milhões’’ de empresas e órgãos públicos, porque as empresas que abrem oportunidades para recém-formados buscam o seu perfil profissional, e não, grandes experiências profissionais. Em outras palavras, as empresas têm buscado por profissionais éticos, sinceros, comprometidos e comunicativos.

APEAM – A Engenharia Ambiental é relativamente nova no mercado de trabalho brasileiro e também, dentre as demais engenharias, a que mais tem potencial de crescimento. O que você acha que está faltando para que este fato seja concretizado?

Marcelo – Acredito que a engenharia ambiental já está consolidada no mercado de trabalho, mesmo que ainda haja um enorme potencial para crescimento. Costumo dizer aos amigos ‘’O engenheiro ambiental é igual paranista. Não se encontra aos montes, mas sempre tem um aonde for’’. E digo isso, pois tem sido comum encontrar engenheiros ambientais na grande maioria das empresas para as quais tenho trabalhado.

Indubitável é que o espaço do engenheiro ambiental no mercado de trabalho tem crescido nos últimos anos, com destaque na área de saneamento básico. O engenheiro ambiental tem atuado significativamente e com muita competência no abastecimento de água, no esgotamento sanitário, na limpeza urbana e manejo dos resíduos sólidos urbanos e industriais.

Como resultado, vagas têm sido abertas não apenas no setor privado, mas também no público, embora o mercado esteja extremamente seletivo. Exemplos de oportunidades no setor público são os frequentes concursos para engenheiro ambiental abertos por empresas de economia mista como a Petrobrás, Sanepar, Copel, Infraero, entre outras.

De forma semelhante, temos tido oportunidades no setor privado, isto é, na indústria, em construtoras, em empresas de consultoria e gerenciamento ambiental, em escritórios de engenharia, na área acadêmica etc.

APEAM – Na sua opinião, qual a importância da APEAM para o fortalecimento da categoria?

Marcelo – Um dos fatores para o fortalecimento da categoria é aumentar a nossa influência no CREA-PR. É bem verdade que não é um fácil iniciar o processo de reconhecimento de qualquer ‘’nova’’ profissão, sobretudo obter um prestígio em seu conselho de classe. Diante desse quadro, a APEAM tem atuado intensamente em favor do engenheiro ambiental junto ao CREA, com destaque aos engenheiros ambientais Helder Nocko e Renato Muzzolon Junior, que lideraram o início desse processo e hoje nos representam lá dentro.

APEAM Para finalizar, qual recado você gostaria de deixar aos futuros Engenheiros Ambientais?

Marcelo – Em primeiro lugar, priorizem na vida profissional e pessoal os princípios éticos e os valores morais. Não esqueçam que o engenheiro ambiental trabalha com equipes multidisciplinares e, sob esta perspectiva, além da sua aptidão e competência na engenharia, busquem conhecimento em outras áreas, como na economia, política, biologia e, principalmente, no direito ambiental.

Outro ponto: embora calcular derivadas e integrais estimule o raciocínio lógico matemático, e isso é incondicionalmente importante, posso afirmar a vocês que elas pouco servirão nas suas vidas profissionais, salvo casos especiais.

Por esta razão, dediquem-se em matérias aplicadas à prática profissional, tais como: tratamento de efluentes domésticos e industriais; abastecimento de água; monitoramento e controle de emissões atmosféricas; avaliação de impactos ambientais; gerenciamento de resíduos sólidos, entre outras correlatas.

Por fim, aos que desejam se especializar em uma área específica, existe uma escassez no mercado de trabalho por profissionais especialistas em análise de riscos ambientais. Sem dúvidas, é uma oportunidade para ser diferenciado no mercado.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA  

O presidente da Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais – APEAM, no uso de suas atribuições de acordo com o artigo 10º do Estatuto, convoca todos os associados para a Assembleia Geral Ordinária, a ser realizada no dia 16 de Dezembro de 2014, às 18h:30, em primeira convocação e às 19h:00 em segunda convocação, na rua Dr. Zamenhof, 35 – prédio do CREA/Pr, Alto da Glória, Curitiba, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia:

  1. Prestação de contas de 2014;
  2. Balanço de atividades 2014;
  3. Planejamento 2015;
  4. Realização do SBEA 2015;
  5. Apresentação de Folder da APEAM;
  6. Resultado de projeto piloto de trabalhos acadêmicos;
  7. Resultados dos trabalhos de contratados da APEAM com relatório de atividades;
  8. Assuntos Gerais.

 

Curitiba, 27 de novembro de 2014.

Cordialmente,

Fernanda Muzzolon Padilha

Secretária

Prêmio CREA-PR da Qualidade 2014: APEAM conquista 1º lugar na categoria “Pequenas Entidades de Classe”

Prêmio CREA-PR da Qualidade 2014: APEAM conquista 1º lugar na categoria “Pequenas Entidades de Classe”

Membros da APEAM participaram na última sexta-feira (07), em Foz do Iguaçu, da cerimônia de entrega do 7º Ciclo Prêmio CREA-PR da Qualidade 2014 e pelo segundo ano consecutivo conquistaram o 1º lugar na categoria “Pequenas Entidades de Classe”. O evento, prestigiado por quase 400 profissionais de todo o Estado, marcou o encerramento do 40° Encontro Paranaense de Entidades de Classe – EPEC.

O objetivo do Prêmio CREA da Qualidade nas Organizações Profissionais – PCQ é reconhecer e premiar as organizações profissionais que demonstrem alto desempenho em suas gestões, e mostrar o desenvolvimento das organizações profissionais vinculadas ao sistema CONFEA/CREA no Estado do Paraná.

10169278_769529356442190_4609160036347620915_n

Diretoria APEAM recebe 1º lugar na categoria “Pequenas Entidades de Classe”. Na foto, da esquerda para a direita: Helder Nocko –  Vice-presidente; Fernanda Muzzolon – Secretária; Michael Busko – Vice-tesoureiro; Diana M. Cancelli -Gerente de Comunicação; e Renato Muzzolon Junior – Presidente.

“O 1º lugar na categoria ‘Pequenas Entidades de Classe’ é o resultado do esforço honorífico dos profissionais que fazem parte da Gestão APEAM (2014-2016). Entretanto, para que a entidade tenha maiores avanços e consolidação em um ambiente associativista, é necessário um maior envolvimento dos profissionais e estudantes nas decisões e discussões da associação. Ressalto também a importância do Encontro Paranaense de Entidades de Classe, que deu oportunidade aos membros da APEAM conhecerem melhor os líderes de outras associações e o sistema Confea/CREA”, destacou o presidente da APEAM Renato Muzzolon Junior.

Neste ciclo, o Prêmio CREA da Qualidade – PCQ alcançou novo patamar de participação, com 62 entidades de classe, representando um aumento de mais de 100% desde a primeira edição do prêmio, em 2008. Destaque também para o aumento na pontuação total das entidades de classe, que foi de 16% em relação ao ano passado.

“A APEAM foi mais uma vez a vencedora do PCQ na categoria pequenas entidades de classe. Cada vez mais nos dá orgulho fazer parte desse jovem e inovador time de engenheiros ambientais que tem trabalhado na defesa e valorização da engenharia ambiental”, ressaltou o vice-presidente da APEAM Helder Nocko.

Primeiros colocados:

1º colocado da categoria pequenas entidades de classe – Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais.

1º colocado da categoria médias entidades de classe – Associação Regional dos Engenheiros e Arquitetos de Marechal Cândido Rondon.

1º colocado da categoria grandes entidades de classe – Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Cascavel.

Segundos Colocados:

2º colocado da categoria pequenas entidades de classe – Associação Paranaense de Engenheiros de Segurança.

2º colocado da categoria médias entidades de classe – Associação Regional dos Engenheiros e Arquitetos de Pato Branco.

2º colocado da categoria grandes entidades de classe – Associação de Engenheiros e Arquitetos de Maringá.

Terceiros Colocados:

3º colocado da categoria pequenas entidades de classe – Associação Brasileira de Engenheiros Cartógrafos – Regional Paraná.

3º colocado da categoria médias entidades de classe – Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos do Norte Pioneiro.

3º colocado da categoria grandes entidades de classe – Associação Regional dos Engenheiros Agrônomos de Cascavel.

Com informações do site CREA-PR

Missão Técnica Brasil-Alemanha em Energias Renováveis

Missão Técnica Brasil-Alemanha em Energias Renováveis

A LOICK Bioenergy S/A  e o Instituto Fraunhofer UMSICHT em parceria com o IBQP e iCities e com apoio institucional do SENAI, Compagás, Câmara de Comércio Brasil Alemanha, e a  Associação Paranaense de Engenheiros Ambientais (APEAM) promovem dois eventos no Paraná nos dias 12 (Curitiba) e 14 (Céu Azul) de novembro de 2014, nos quais estarão presentes executivos da Loick da Alemanha e também representantes do Instituto Alemão de Pesquisa e Tecnologia Fraunhofer.

Os eventos tratarão sobre temas relacionados a energias renováveis, a gestão de resíduos e novas tecnologias. A sua presença será muito bem vinda!
A Loick, empresa que representamos no Brasil, irá expor principalmente a sua experiência em projetos de bioenergia e novas tecnologias em energias renováveis.
O Instituto Fraunhofer, maior instituição de pesquisa aplicada da Europa, irá expor as suas atividades e também as tecnologias que estão sendo desenvolvidas em suas unidades de energias renováveis em Oberhausen e Sulzbach-Rosenberg (Fraunhofer UMSICHT).
Mais informações nos convites em anexo!

Por favor, confirme a sua presença até o dia 10 de novembro de 2014, e indique qual evento participará e o número de pessoas pelo e-mailrafaela.mussi@loick-bioenergy.com .

news ibpq-8

news ceu azul-4

Seminário Internacional de Tecnologias Ambientais e Gestão da Água na Indústria

Seminário Internacional de Tecnologias Ambientais e Gestão da Água na Indústria

Sobre o Evento:

O “Seminário Internacional de Tecnologias Ambientais e Gestão da Água na Indústria” traz importantes personalidades para compartilhar conhecimentos relacionados a recursos hídricos.

Venha participar deste encontro que com certeza será uma ótima oportunidade para trocar experiências e principalmente de participar de uma integração entre pesquisadores e profissionais da indústria.

Público-Alvo:

Grandes usuários de recursos hídricos da indústria paranaense/ representantes do CERH/PR e dos CBHs do Estado/ AGUASPARANÁ; indústrias, consultores na área ambiental, fornecedores de tecnologia na área ambiental, instituições de monitoramento e controle ambiental.

Mais informações: http://www.senaipr.org.br/para-empresas/EventAgenda27120content263726.shtml

Fonte: Senaipr

ANA oferece 200 vagas em curso de especialização semipresencial

ANA oferece 200 vagas em curso de especialização semipresencial

A Agência Nacional de Águas (ANA) em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) abre inscrição para o curso de pós-graduação Lato Sensu em Elaboração e Gerenciamento de Projetos para a Gestão Municipal de Recursos Hídricos na modalidade semipresencial. São ofertadas 200 vagas gratuitas até o dia 10 de novembro, quando o prazo de inscrições termina.

O curso tem o objetivo de capacitar técnicos dos serviços municipais a atuarem na concepção, captação de recursos, implementação e prestação de contas de projetos ligados às políticas de âmbito municipal (ambiente, saneamento, uso e ocupação do solo) com potencial impacto sobre os recursos hídricos.

Para concorrer a uma das 200 vagas dessa primeira turma o candidato deverá cumprir três requisitos básicos: i) possuir graduação em qualquer área do conhecimento; ii) ser servidor com vínculo efetivo com a administração pública municipal, estadual ou federal; e iii) estar liberado e autorizado pelo órgão de origem para as atividades presenciais e a distância oferecidas pelo curso.

Uma comissão de avaliação formada por representantes da ANA e do IFCE avaliará e validará as inscrições, tendo como base os critérios definidos no Edital PRPI/DEAD nº 001/2014. Os resultados de todas as etapas do processo seletivo serão publicados no site http://prpi.ifce.edu.br/ifce_ana.

A duração do curso está estimada em 18 meses, com três encontros presenciais nos 12 primeiros meses da capacitação nas cidades polo definidas no edital, a saber: Manaus, Fortaleza, Brasília, São Paulo e Florianópolis, de acordo com a respectiva região geográfica.

O curso é gratuito e as despesas com deslocamento, hospedagem e alimentação correrão a expensas dos participantes ou de suas instituições de origem.

O resultado final da seleção deverá ocorrer na data provável de 21 de novembro, com divulgação no site do IFCE. O início das aulas está previsto para ocorrer no dia 1º de dezembro de 2014.

Vertente indutora

Como instituição responsável pelo desenvolvimento de ações de capacitação no âmbito do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos (Singreh), a Agência Nacional de Águas identificou a demanda para formação especializada de técnicos atuantes nos municípios brasileiros e, de forma inédita no Brasil, apoiou o IFCE na estruturação do curso de pós-graduação Lato Sensu em Elaboração e Gerenciamento de Projetos para a Gestão Municipal de Recursos Hídricos.

A expectativa da Agência é capacitar, em duas turmas, 600 profissionais e, assim, permitir que os municípios tenham as aptidões e o conhecimento necessários para captar recursos para financiamento nas áreas de saneamento, meio ambiente e planejamento do uso do solo.

Fonte: Carol Braz, Ascom/ANA

Presidente da APEAM participa do 1° Encontro Catarinense de Engenheiros Ambientais

Presidente da APEAM participa do 1° Encontro Catarinense de Engenheiros Ambientais

O presidente da APEAM Renato Muzzolon Junior participou no dia 31 de outubro, em Florianópolis, do 1º Encontro Catarinense de Engenheiros Ambientais.

O encontro promovido pela ACEAMB, AEANVI e ASCEA, com apoio do CREA-SC através do PEC – Programa de Educação Continuada teve como objetivo reunir profissionais, estudantes, instituições de ensino, entidades de classe, órgãos públicos e demais interessados em um espaço de discussão a respeito do tema norteador “Engenharia Ambiental: Atribuições, Atuação e Mercado de Trabalho”.

Cerca de 230 profissionais da Engenharia Ambiental participaram do evento, que abordou temas como atribuições profissionais, mercado de trabalho, legislação, entre outros.

11000_264311593692432_8616900875104374050_n

Muzzolon palestrou sobre “Empreendedorismo e a Engenharia Ambiental” abordando a história do empreendedorismo e utilizou como exemplo o Planejamento de Estratégico aplicado na sua empresa, Avistar Engenharia. “O intuito da palestra foi incentivar os acadêmicos e profissionais a identificar as áreas de atuação do engenheiro ambiental e transforma-las em oportunidades de negócios”, destacou.

Com informações da Associação Catarinense de Engenharia Ambiental – ACEAMB

Mercado de Trabalho: Engenheiro Ambiental Rafael Coelho Ciciliato

Mercado de Trabalho: Engenheiro Ambiental Rafael Coelho Ciciliato

“Hoje o campo da pesquisa está bem avançado na área ambiental, com diversas soluções viáveis economicamente e ambientalmente corretas. Entretanto, os órgãos fiscalizadores (IAP, CETESB, INEA, etc) fiscalizam muito pouco, e muitos empreendimentos funcionam sem licenças ambientais e com licenças vencidas. O rigor na fiscalização deve ser maior, e consequentemente surgirá mais demanda de serviços na nossa área”. A observação é de Rafael Coelho Ciciliato, engenheiro ambiental e mestrando em Engenharia Ambiental pela UTFPR de Londrina. Atualmente, Ciciliato trabalha como analista ambiental na empresa Master Ambiental.

 

Confira a entrevista realizada com o engenheiro ambiental Rafael:

APEAM – Para iniciar, conte-nos um pouco de sua trajetória profissional como engenheiro ambiental.

RafaelDurante a fase acadêmica, participei por quatro anos consecutivos das atividades de Iniciação Científica, sendo dois anos na linha de pesquisa de Tratamento Biológico de Efluentes e dois anos na linha de pesquisa de Tratamento Eletroquímico de Efluentes. Fui monitor de duas disciplinas, Fenômenos de Transporte e Física III. Estagiei por seis meses em uma empresa de Geoprocessamento e um ano e meio em Consultoria Ambiental.

APEAM – O que lhe motivou a fazer o curso de Engenharia Ambiental?

Rafael Antes de cursar a graduação, cursei concomitante com o Ensino Médio o Técnico em Meio Ambiente. Meu pai é Engenheiro Agrônomo e sempre me passou os ensinamentos de seu curso, seja em conversa quanto praticamente em sua propriedade rural. Além desses fatores, eu sempre gostei da área ambiental aliada a matemática, e justamente no ano que conclui o ensino médio, abriu a graduação na UTFPR-LD, que com sucesso fui aprovado, hoje formado, e atualmente cursando o Mestrado Acadêmico em Engenharia Ambiental.

APEAM – Qual sua área de atuação?

RafaelJá atuei em todas as áreas aqui na Master Ambiental, sendo elas: Licenciamento Ambiental, Resíduos, Recursos Hídricos, Poluição Atmosférica e Passivo Ambiental. Atualmente trabalho na parte de Infraestruturas, principalmente rodovias, seja em seu licenciamento que é bem complexo, envolvendo EIA/RIMA, RAP, PCA, Programas Ambientais, e também na parte da Gestão Ambiental das Rodovias, que consiste em seu monitoramento mensal com geração de relatórios de desempenho ambiental das obras.

APEAM – Quais foram as maiores dificuldades encontradas no mercado de trabalho?

Rafael Principalmente na conquista do primeiro emprego, pois apesar de ser um curso promissor, ainda tem poucas vagas disponíveis. Quando estamos empregados, a todo o momento senti a necessidade de estudar mais para conseguir realizar com sucesso as atividades no trabalho.

APEAM A Engenharia Ambiental é relativamente nova no mercado de trabalho brasileiro e também, dentre as demais engenharias, a que mais tem potencial de crescimento. O que você acha que está faltando para que este fato seja concretizado?

RafaelHoje o campo da pesquisa está bem avançado na área ambiental, com diversas soluções viáveis economicamente e ambientalmente corretas. Entretanto, os órgãos fiscalizadores (IAP, CETESB, INEA, etc) fiscalizam muito pouco, e muitos empreendimentos funcionam sem licenças ambientais e com licenças vencidas. O rigor na fiscalização deve ser maior e, consequentemente, surgirá mais demanda de serviços na nossa área.

APEAM – Na sua opinião, qual a importância da APEAM para o fortalecimento da categoria?

RafaelImportante, pois a união dos profissionais faz a força da classe e, consequentemente, conquistas. Uma andorinha não faz verão.

APEAM: Para finalizar, qual recado você gostaria de deixar aos futuros Engenheiros Ambientais?

RafaelQue estudem bastante na universidade, para que possam sair mais preparados para o mercado de trabalho. Busquem sempre estágios, atividades acadêmicas, feiras, excursões, etc. E sempre acreditem na nossa profissão.